É só mais um bocadinho!

domingo, janeiro 23, 2011

Cancro: o êxito das terapias alternativas

A maioria dos doentes internados na Unidade Hemato-oncologia do Hospital S. João que integraram um projecto de investigação sobre o impacto da terapia de Reiki demonstraram «uma diminuição do sofrimento associado à ansiedade e à dor», escreve a Lusa.

Em declarações à Lusa, Fátima Ferreira, hematologista no Hospital de S. João, Porto, e presidente da Associação de Apoio aos Doentes com Leucemia e Linfoma, explicou que os doentes que se submeteram a esta terapia complementar conseguiram «ultrapassar melhor do que os outros os aspectos quer fisiológicos, quer psíquicos da situação em si».

Fátima Ferreira falava à Lusa a propósito de uma mesa redonda que se realiza na terça-feira na Aula Magna da Faculdade de Medicina do Porto para analisar o «Contributo da medicina holística no tratamento dos doentes hemato-oncológicos ¿ Reiki, uma resposta credível».

A introdução ao tema ¿ «Mente sã em corpo são» ¿ será efetuada pela hematologista Fátima Ferreira, a que se seguirá a intervenção da enfermeira e Mestre Reiki Maria Zilda Alarcão que abordará «O Impacto da Terapia de Reiki na qualidade de vida dos Doentes hemato-oncológicos», que serviu de base ao projecto de investigação que liderou.

No estudo participaram 100 doentes, metade dos quais foram submetidos àquela terapia complementar.

«A minha vivência como terapeuta de Reiki permitiu alicerçar o desejo de que este projeto fosse dirigido a um grupo de doentes específico, representativo da minha experiência profissional, como enfermeira, pelo que optei pela Unidade de Hemato-Oncológica do Hospital de S.João», disse a responsável pela investigação.

A enfermeira pretendia perceber como o Reiki poderá ajudar, de forma holística, «a minorar o sofrimento destes doentes nas suas vertentes mais significativas».

Destas, salientou «o sofrimento, considerando o sentido mais amplo do termo, a ansiedade, a dor, as alterações da auto-imagem e os efeitos colaterais dos tratamentos como a quimioterapia».

A hematologista Fátima Ferreira referiu ainda estudos feitos em animais que mostram que «os ratos com cancro submetidos a Reiki também têm uma melhoria da imunidade celular».

«Há por isso algumas evidências científicas experimentais que nos dizem que o Reiki pode ser benéfico. Tudo isto ainda não está 100 por cento experimentado, mas há evidências nesse sentido e há o testemunho dos doentes», acrescentou.

Reiki é uma designação japonesa que significa «Energia Vital Universal» e que se caracteriza por ser um sistema natural de captação e transmissão dessa energia. O terapeuta, através das suas mãos, promove «uma limpeza profunda celular e restabelece - em cada ser humano - os seus níveis energéticos, em todas as vertentes», explicou Zilda Alarcão.

O terapeuta, ao permitir que a energia flua no ser humano irá permitir diminuir a ansiedade, o sofrimento, a dor, a fadiga e todos os estados de dependência física. Favorece os sentimentos positivos, o sono e repouso, a concentração e aprendizagem e valoriza a auto-estima, acrescentou.

(PortugalDiário online - http://diario.iol.pt/sociedade/saude-cancro-reiki-doentes-dor-tvi24/1227742-4071.html )

2 Comments:

Infelizmente por cá as terapias alternativas,como o reiki,acunpunctura,etc. ainda não são bem vistas pela medicina convencional.
Aqui,no hospital,houve um médico que lutou bastante para que os enfermeiros do Hospital de Dia tirassem o curso de reiki para fazerem durante os tratamentos,mas houve muita "gente contra"e agora tem o curso mas não podem praticar.
Eu faço-o,(fora do hospital),todas as semanas e noto bastante diferença.


Beijinhos

23/1/11 21:35  

Eu sou Reikiana, e posso dizer que o Reiki me ajuda muito na minha vida... Durante a doença fiz muito Reiki, várias vezes por dia, e isso ajudou-me muito a nível físico e psíquico!

Reiki é a energia que cura, o corpo e a mente!

Beijinhos Nela.

23/1/11 22:51  

Enviar um comentário

<< Home