É só mais um bocadinho!

segunda-feira, novembro 15, 2010

O meu berlinde

Como sabem, eu tenho uma pancada por malas (também tenho por outras coisas, mas isso não vem agora a propósito...) e, de vez em quando, troco de mala. Trocar de mala não é uma tarefa tão fácil como se pode pensar... Implica várias sub-tarefas, analisar vários lotes de documentos (leia-se: contas de supermercado, de gasolina, dos últimos sapatos de cair para o lado, guia de substituição da carta de condução e um ou outro documento vital para a nossa sobrevivência como espécie), decidir se continuo ou não a carregar com aquele resto de baton que já não se consegue usar mas que é lindo de morrer, se se justifica trazer um par de collants sobressalentes embora estejamos no verão, etc., etc., etc....

Como se isso não bastasse, para dificultar a empreitada, surgem alguns objectos não identificados que nem sonhamos como apareceram ali... E é aqui que começa a história.

Depois de transbordar 3 carteiras (uma de utilização corrente – moedas, notas, cartões de crédito e débito, BI, NIF, SAMS, descontos de gasolina, descontos de supermercado (caducam todos sem utilização) – outra com os cartões que são usados de 5 em 5 anos e outra com pequenas memórias que nunca me lembro de consultar, 4 porta-chaves (sim, são 4 e todos justificados), os comprimidos que tomo ao longo do dia, mais os comprimidos que tenho que tomar à noite (sem falta) e que preciso trazer porque posso não estar em casa à noite, o mp4 que raramente ouço, os óculos de sol que raramente uso uma vez que uso óculos dos outros, as contas para pagar, os cartões de acesso à garagem e ao meu gabinete e mais as miudezas que enchem os imensos bolsinhos que compõem o interior da mala... começo logo a arrepender-me de ter pensado em trocar de mala só porque é castanha e hoje estou vestida de azul!

Eis que me aparece uma bolinha, pesada, brilhosa e... inesperada. Mas que m$%#& está isto a fazer aqui???! E de repente, lembro-me!!! Isto é um berlinde que o nosso encenador nos deu de presente, para não nos esquecermos de alimentar a nossa criança interior... E sorrio. E espero que cada um de nós, que também recebeu uma bolinha, ainda consiga encontrar no meio da sua tralha diária, do essencial e do acessório que carregamos nos ombros, o tempo e a disponibilidade para alimentar essa criança com aquelas coisas boas de que gostam as crianças: brincadeiras, sonhos, projectos, sonhos, birras, sonhos, enfim, sonhos... Espero também que consigamos seguir em frente enquanto grupo e, sempre que encontrarmos um entrave, possamos olhar para ele, sorrir e saltar por cima em direcção ao sonho. Fazendo minhas as palavras de outrem: o meu pensamento agora está no que é realmente importante para mim e este berlinde ensinou-me a perceber que o melhor…

Enfim, sorrio...

11 Comments:

Sem querer agoirar, cheira-me que qualquer dia te arriscas a um prognóstico de escoliose :). Essa coluna deve andar cansada de tanta memória :)

Beijinhos

15/11/10 12:43  

Pois, pois!!
Eu tb mudo constantemente de malas e nem por isso venho para aqui chatear as pessoas :p eu não preciso de berlinde para não esquecer a criança que tenho dentro de mim ;o)
Mas tenho algumas "coisinhas" que não podem deixar de ir com as malas!
Beijinhos e boa semana!!!

15/11/10 14:34  

olá Nela, tb se passa comigo.
Adorava ter uma mala que ficasse bem contudo.
Mas olha há uns saquinhos que alguem inventou, onde pomos tudo la dentro, depois qd mudamos de mala, é so tirar o saquinho e é so por na outra mala. Parece-me pratico, mas ainda não aderi.
Um beijinho e tem uma boa semana.

15/11/10 14:52  

Muito filosófica e um post que pode ter várias interpretações.
Só digo que é muito bom ter um berlinde (ou outro artecfato) onde nos possamos agarrar quando às vezes nos esquecemos de alimentar a nossa criança interior. E às vezes também se joga ao berlinde. Mas o melhor mesmo é oferecer o berlinde por forma a equilibrarmos o dos nossos amigos. É assim que se consegue manter a força de um grupo, com cedencias e trocas recíprocas. Mesmo que o berlinde seja de outro tamanho ou de outra cor sabe bem tentar alcançar o sonho de um grupo.
Porquê...o melhor ainda está para vir.

Bjs e boa semana

15/11/10 15:11  

adorei o que li revejo-me nessas situações de troca de mala lolll é sempre uma canseira devido á tralha que se carrega, na minha não carrego nenhum berlinde mas carrego a primeira mexa de cabelo do meu filhote já vai para 23 anos, e se me esqueço quando troco de mala, logo faço questão de o ir buscar, é tipo um amuleto, não sei, só sei que me faz bem.....
beijinhos
..

15/11/10 15:54  

Nela!
Sabe bem saber que ainda não desistiu de "carregar" o seu berlinde!
É bom saber que entende a força mágica destes berlindes e que sabe que enquanto acreditarmos, juntos, tudo podemos alcançar!
O céu é o limite e a descrença nos outros e ou a concentração no nosso próprio umbigo o nosso principal inimigo.
Para alcançar o "sonho" só precisamos de ser honestos nas nossas intenções, fechar os olhos, concentrarmo-nos no que realmente é importante, apertar o berlinde com muita força e desejar... E ai "o sonho" acontece!
E se acontece é porque nós merecemos. Porque estamos inteiros e sobretudo porque acreditamos na importancia do que fazemos! E quando é assim, o berlinde entende e dá-nos resposta satisfazendo o nosso desejo! E quando assim é, temos mais que motivos para continuar a acreditar que ... O MELHOR... O MELHOR AINDA ESTÁ PARA VIR!

PS- O berlinde não engana - não desista dele!

15/11/10 16:27  

O mestre Yoda dizia:
"Grande Guerreiro, ha? Guerra não faz grande ninguém."

Já o sonho, sim!

15/11/10 16:55  

Ahhhhh O berlinde...

Nem acredito que te tinhas esquecido Gosma! Mas se o encontrateste agora, é porque talvez só agora ele faça sentido para ti. Ainda bem que o incluis, agora, nas milhentas coisas que carregas na mala.

O meu nunca mais me largou. Sempre que troco de mala lá vou eu á bolsinha buscar o "verdinho". E nessas alturas lembro-me sempre do motivo porque o "carrego": para não me esquecer do sonho que me fizeram sonhar e do motivo que me fez embarcar nele.
Embora tenha achado uma idéia meio louca na altura ( nunca me tinham dado um berlinde!), muito rápidamente percebi a importância do que transmitia. E confesso que já o procurei algumas vezes...

Que o melhor... o melhor ainda esteja para vir!

Bjinhos

15/11/10 20:41  

Gosma, esqueceste-te de dizer que as malas, normalmente têm também centenas de bolsinhas... que só servem para atrapalhar na distribuição da tralha. E só nos enervam quando procuramos a única coisa que realmente precisamos, eheheheh

15/11/10 20:47  

Esta mulher é um espectaculo! Adorei o que dizes porque para mim faz todo o sentido.

Muitas vezes é nas pequeninas coisas que me revejo, naquelas que não despertam curiosidade em ninguém, mas que para mim fazem toda a diferença.

Para além do mais, ser criança é sonhar e sonhar é viver. Então vamos ser crianças enquanto nos deixam.

Quanto ao acessório "mala" nem sei o que dizer, porque eu sou maniaca por malas. Arranjo sempre pretexto para mais uma malinha, não sei, acho que é daquelas coisas que me fazem sempre falta, o pior é que já nõa tenho sitio para guardá-las. Mas como tudo existe um pequeno senão, normalmente quando mudo de mala, deixo sempre na mala anterior qualquer coisa que me faz falta e é uma chatice, porque depois ando que nem uma barata tonta. Enfim coisas de gajas.

Bjokas

16/11/10 15:10  

Adoro o teu sentido de humor, a minha sobrinha tem bem a quem sair..ahahahah sai a mãe e atira ao pai!!!
Mas fora a brincadeira, admiro profundamente a tua força e coragem que tens demonstrado.
Estou aqui SEMPRE para tudo o que precisares!
Um beijo do tamanho do mundo.:))*******

24/11/10 22:32  

Enviar um comentário

<< Home