É só mais um bocadinho!

terça-feira, novembro 30, 2010

Hoje há festa!!!

O piolho da Isa e do Jorge nasceu!!! Celebremos!

É uma vitória sobre o ranhoso!

VIVA o Miguel!!!

domingo, novembro 28, 2010

Fim de semana

... frio, mas bom.
Sábado, fui almoçar com as minhas amigas Inês e Isabel. Bom, bom, bom. Não consigo explicar o aconchego que é estar com estas duas (e com a outra... que vai sempre)... Faltou a Ana, mas esteve presente através do telefone.
Depois, foi a nossa vez de receber convidadas na nossa aldeia. Lareira acesa, conversinha boa, serão gostoso, jantarinho simples.
Hoje, foi dormir até ao meio-dia. Já não me acontecia há muito... Foi um bom fim de semana.

Este é o cão da Inês:

quinta-feira, novembro 25, 2010

Sózinho é mais difícil...

Ponham o som no máximo e perceberão porque é que acompanhado é muito mais fácil!

sexta-feira, novembro 19, 2010

Pontos de venda do Vinho Rosa Esperança

Pontos de venda do Vinho Rosa Esperança:

Lisboa - Living Wine - Centro Comercial Roma - loja 46 - Av. de Roma 48 B - 911083976

Torres Vedras - Garrafeira S. Pedro - R. Almirante Gago Coutinho nº 9 - 261322916

quinta-feira, novembro 18, 2010

Vinho Rosa Esperança na revista TVMais

(Obrigada, TP)
Rosa Esperança - Cabernet Sauvignon - Castelão 2008
Vinho Tinto, Regional Península de Setúbal

FICHA TÉCNICA
CASTA – Cabernet Sauvignon e Castelão
ÉPOCA DE COLHEITA – Finais de Setembro.
ORIGEM – Vinhas situadas em Fernando Pó, zona privilegiada do concelho de Palmela.
SOLO – Podzolizado de areias e arenitos.
CLIMA – Mediterrânico-continental.
VINIFICAÇÃO – Fermentação em cubas-lagares de inox com temperatura controlada, e maceração pelicular prolongada. Estágio de 8 meses em meias pipas de carvalho Americano e francês.
PERÍODO MÁXIMO DE GUARDA – Aconselham-se 8 anos.
NOTA DE PROVA – Vinho de cor granada/ruby, concentrado. Aroma bem conjugado com a madeira, confitado, rico em frutos vermelhos muito maduros, típicos do Castelão, com algumas notas de especiaria e de pimento típicas da casta Cabernet Sauvignon, Na boca é muito cheio, aveludado com taninos presentes muito bem integrados. Final longo, agradável e persistente.
TEOR ALCOÓLICO – 14,5 %.
ACIDEZ TOTAL – 5,62 g ácido tartárico/dm3
PH – 3,54
AÇÚCAR RESIDUAL – 2,9 g/dm3
TEMPERATURA DE CONSUMO – 16-18º.
ENÓLOGO – Eng.º Jaime Quendera.

terça-feira, novembro 16, 2010

Sózinho é mais difícil!


Movimento Partilha

segunda-feira, novembro 15, 2010

O meu berlinde

Como sabem, eu tenho uma pancada por malas (também tenho por outras coisas, mas isso não vem agora a propósito...) e, de vez em quando, troco de mala. Trocar de mala não é uma tarefa tão fácil como se pode pensar... Implica várias sub-tarefas, analisar vários lotes de documentos (leia-se: contas de supermercado, de gasolina, dos últimos sapatos de cair para o lado, guia de substituição da carta de condução e um ou outro documento vital para a nossa sobrevivência como espécie), decidir se continuo ou não a carregar com aquele resto de baton que já não se consegue usar mas que é lindo de morrer, se se justifica trazer um par de collants sobressalentes embora estejamos no verão, etc., etc., etc....

Como se isso não bastasse, para dificultar a empreitada, surgem alguns objectos não identificados que nem sonhamos como apareceram ali... E é aqui que começa a história.

Depois de transbordar 3 carteiras (uma de utilização corrente – moedas, notas, cartões de crédito e débito, BI, NIF, SAMS, descontos de gasolina, descontos de supermercado (caducam todos sem utilização) – outra com os cartões que são usados de 5 em 5 anos e outra com pequenas memórias que nunca me lembro de consultar, 4 porta-chaves (sim, são 4 e todos justificados), os comprimidos que tomo ao longo do dia, mais os comprimidos que tenho que tomar à noite (sem falta) e que preciso trazer porque posso não estar em casa à noite, o mp4 que raramente ouço, os óculos de sol que raramente uso uma vez que uso óculos dos outros, as contas para pagar, os cartões de acesso à garagem e ao meu gabinete e mais as miudezas que enchem os imensos bolsinhos que compõem o interior da mala... começo logo a arrepender-me de ter pensado em trocar de mala só porque é castanha e hoje estou vestida de azul!

Eis que me aparece uma bolinha, pesada, brilhosa e... inesperada. Mas que m$%#& está isto a fazer aqui???! E de repente, lembro-me!!! Isto é um berlinde que o nosso encenador nos deu de presente, para não nos esquecermos de alimentar a nossa criança interior... E sorrio. E espero que cada um de nós, que também recebeu uma bolinha, ainda consiga encontrar no meio da sua tralha diária, do essencial e do acessório que carregamos nos ombros, o tempo e a disponibilidade para alimentar essa criança com aquelas coisas boas de que gostam as crianças: brincadeiras, sonhos, projectos, sonhos, birras, sonhos, enfim, sonhos... Espero também que consigamos seguir em frente enquanto grupo e, sempre que encontrarmos um entrave, possamos olhar para ele, sorrir e saltar por cima em direcção ao sonho. Fazendo minhas as palavras de outrem: o meu pensamento agora está no que é realmente importante para mim e este berlinde ensinou-me a perceber que o melhor…

Enfim, sorrio...

Movimento Partilha na SIC Notícias

O Movimento Partilha apresenta-se, amanhã - dia 16 - na SICN. Conheçam melhor este movimento no programa "A Edição da Manhã", a partir das 9h20.
O que é?

O Movimento Partilha inspira-se no modelo de intervenção social, possibilitando a ligação entre doentes oncológicos em remissão e doentes activos.

É um movimento da sociedade civil, que não se confina a espaços físicos nem a horas marcadas. Pretende ser uma plataforma que junta pessoas, possibilitando assim ajudá-las, beneficiando da experiência e dos recursos do Projecto Luz - Associação Portuguesa de Apoio a Doentes Oncológicos.

Perfil do Padrinho

Os “Padrinhos” são doentes em remissão que estão disponíveis para apoiar, orientar, conversar e dar esperança a novos doentes com a mesma patologia. Poderão falar das suas lutas e das suas vitórias, partilhando aquilo que é o elo de ligação entre os dois: a experiência de passar por uma doença desta natureza.

Não se trata de um substituto das orientações médicas ou psicológicas dos profissionais. O objectivo é dar apoio ao doente oncológico, ser um ombro amigo e dar esperança, projectando um caso de sucesso.

Perfil do Afilhado

Os “Afilhados” são doentes oncológicos com a doença activa. Beneficiam da experiência do Padrinho, colocando dúvidas e partilhando experiências, sabendo que existe quem tenha algumas das respostas aos momentos mais angustiantes pelos quais passa e que está sempre disponível para ouvir.

Como me posso tornar Padrinho? E Afilhado?

Basta contactar-nos e identificar-se como potencial Padrinho ou Afilhado, indicando a sua doença oncológica e a zona de residência.

Os Padrinhos serão sujeitos a uma entrevista com um psicólogo voluntário do Projecto Luz, sendo feita uma avaliação do seu perfil, garantindo assim que estão cientes do seu papel e do tipo de intervenção que se pretende junto do afilhado.

Por fim, é proposto um encontro entre potenciais Padrinhos & Afilhados, que deverão ser pessoas que partilham a mesma patologia e, preferencialmente, vivem na mesma zona geográfica.

Depois deste primeiro encontro, cabe a ambas as partes decidir se querem avançar com esta ligação. Ou, caso não tenha havido empatia, recomeçar o processo.

A nossa certeza é de que é muito mais difícil fazer esta travessia sozinho.
Estamos aqui para ajudar.

sábado, novembro 13, 2010

“Rosa Esperança” transmite mensagem de vida

Foto: Gonçalo S. Cunha


“Quero transmitir esperança e alegria de viver”, disse Maria Manuela Almeida, de Alcobaça, uma das setes mulheres que, não sendo actriz, decidiu expor a sua própria experiência de luta contra o cancro da mama na peça de teatro “Rosa, Esperança.”

A peça foi representada no sábado passado, no grande auditório do Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha, avança o Jornal das Caldas on-line.

“Não há que ser coitadinho porque se tem cancro, há que transmitir esperança para sobreviver à doença”, adiantou esta protagonista, referindo que o que aparece no espectáculo “não é a minha própria experiência, é a de mulheres que tiveram cancro da mama”.

Do elenco faz parte, ainda desta região, a caldense Alda Caetano, que venceu o cancro da mama. Está muito satisfeita por participar no projecto, alegando que acima de tudo é uma forma de transmitir uma boa mensagem.

“Se não tivermos algo para nos agarrarmos é muito difícil esta luta”, disse Alda Caetano, acrescentando que “exemplos como os que são passados nesta peça de teatro, dão muita esperança, especialmente quando vimos uma mulher no palco que teve cancro da mama há vinte sete anos”. Segundo esta actriz, “todo o projecto é uma terapia; já não conseguimos viver sem a amizade que une todo o elenco e figurantes".

“Rosa Esperança”

O movimento “Rosa Esperança” nasceu de uma parceria com o grupo de artistas “Quem não tem cão” para promover uma peça de teatro onde a luta contra o cancro da mama é a personagem principal. Sete mulheres que venceram a doença e trinta figurantes, todos amadores, têm levado a peça a diferentes pontos do país desde há um ano.

Segundo o encenador, Rui Germano, a história relata a evolução da doença. A descoberta, a ida ao médico, o medo do diagnóstico, o internamento, a cirurgia e os tratamentos.

Rui Germano, encenador do grupo “Quem não tem cão”, de Rio Maior, é o grande mentor da peça “Rosa, Esperança”. “Queremos dar esperança, passar informação de uma forma descontraída e devolver a auto-estima às mulheres”, explicou o responsável, que criou este projecto porque a sua mãe e duas amigas tiveram cancro da mama.

A iniciativa começou há três anos, quando decidiu chamar a atenção para a doença na sequência do falecimento de uma das amigas com cancro da mama. “Como tinha um teatro, a companhia ‘Quem Não tem Cão’, aproveitei e decidi fazer uma coisa diferente”, adiantou.

Vinho e Encontros

Com o recurso às redes sociais na Internet e aos blogues, os membros do movimento foram espalhando a notícia e enchendo as salas de teatro. “Quando nos começámos a aperceber da dimensão que este projecto tinha, surgiu a ideia de ampliar a peça de teatro para uma acção mais alargada”, explicou Rui Germano. Assim, nasceu a parceria com as caves Ermelinda Freitas e a criação do vinho com o rótulo alusivo ao movimento, desenhado por Paal Myhre.
O vinho “Rosa Esperança” tem o preço de dez euros por unidade e as receitas reverterão, na totalidade, para este movimento de luta contra o cancro da mama e serão aplicadas, numa primeira fase, ao espectáculo de teatro itinerante que promovem.
O movimento organiza ainda os “Encontros Rosa Esperança”, piqueniques cujo objectivo é reunir mulheres para partilha de experiências e informação.

Segundo o encenador, a curto prazo o projecto vai também lançar uma fotografia única, com grandes dimensões (5m x 2,30 m), que pretende chamar a atenção para este problema de saúde.
Além de Alda Caetano e Manuela Almeida, o elenco da peça conta com Cacilda Germano, Carla Pedro, Cristina Vicente, Lucinda Almeida, Manuela Matias, Cristina Jordão, José Manuel, Paulo Azevedo e mais de 20 figurantes.

Portal de Oncologia Português

quinta-feira, novembro 11, 2010

TRANSMISSÃO DA NOVA REALIDADE


 11:11

PORTUGAL, UMA PRAÇA PARA O MUNDO


Filme exibido no pavilhão de Portugal, na Expo 2010,  Exposição Mundial de Xangai.

domingo, novembro 07, 2010

Rosa Esperança no Só Visto!

A apresentação do vinho Rosa Esperança no Bairro Alto Hotel vai ser tema de uma reportagem a passar no programa Só Visto!, daqui a um bocadinho, às 14h00 na RTP1.

Vejam-nos! E brindem! Com um bom copo de Rosa Esperança!

Update: Já está online!!! Parabéns Cacildinha e Carlinha!!!
http://tv1.rtp.pt/programas-rtp/index.php?p_id=17589&c_id=1&dif=tv&idpod=47012

Vinho Rosa Esperança na revista Tele Novelas


quinta-feira, novembro 04, 2010

Dia 6 - Sábado - não esqueçam!

Grande Auditório do CCC Caldas da Rainha... Vamos enchê-lo?!

segunda-feira, novembro 01, 2010

Uma coisa é uma coisa; outra coisa é outra coisa...

... ou não.

Sábado, o vinho Rosa Esperança mostrou-se ao mundo! A Casa Ermelinda Freitas teve a generosidade de se associar a este projecto e permitir que mais este sonho se concretizasse.

Contámos com a presença de muitos amigos e até a televisão por lá andou... Estejam atentos ao próximo programa "Só visto!".
Domingo, finalmente, vimos o filme que a Carlinha nos ofereceu: As Meninas de Calendário. Fartei-me de rir; só via espelhada a nossa figura: de projecto em projecto, sem saber muito bem o que se vai construindo, sem ter a dimensão do que se vive e faz viver. E no fim, em vez de acabar, dizemos que o melhor ainda está para vir. Será assim que se constroem os sonhos???

Parecem coisas diferentes, mas são o mesmo.
E eu ainda pasmo...