É só mais um bocadinho!

sexta-feira, outubro 09, 2009

Como é que eu vejo isto tudo - Dia 16

Eu sei que já ninguém me pode ouvir falar disto... Se bem que um blog seja assim como uma assoalhada numas águas furtadas decrépitas e lamentosas, a verdade é que é meu e se me apetece abrir a janela e verter água para o rio, é cá comigo e posso fazê-lo. Quem lê é como a vizinha cusca que resolve espreitar e pode ver o que não queria. Ok, também escancarei as janelas para beber a vida que vem lá de baixo da cidade, mas ninguém mandou encarrapitar-se no peitoril, ficar de boca aberta e quase cair ao meter o nariz onde não deve...

E tendo assim marcado a propriedade do espaço, como um cão marca o seu território, já posso lamentar-me à vontade sem ninguém poder dizer: Outra vez??? Pára com isso!

Não percebo muito de lutos, embora já tenha perdido muita gente ao longo do tempo, o que demonstra, desde já, o carácter excepcional deste. Mas não era suposto, ao fim de 16 dias, estar mais conformada e ostentar já um sorriso estúpido de quem sabe como funciona a vida e sobrevive a tudo?

O defeito deve ser meu, mas sinto-me completamente perdida...

Agora percebo bem a MJ quando, depois da missa do 7º dia, esticou o polegar e o mindinho, fazendo da mão um auscultador vivo e, entre soluços consecutivos, conseguiu dizer: E o telefone? O telefone? Quem é que me telefona e fica a falar comigo até adormecer???
Será por isso que olho dezenas de vezes para o telemóvel e o idiota não toca? Ainda ontem ia a colocar o auricular pensando que era quando ia a conduzir que ela mais gostava de me ligar. Parece que adivinhava que eu ia com o telemóvel dentro da mala, no banco de trás do carro e com brigadas de polícia no IC19... Estou a ligar-te agora porque já sei que à noite já não consegues raciocinar! É verdade: o meu grau de estupidez vai aumentando conforme o sol vai baixando e, digamos, aí pelas 22h já ninguém me consegue arrancar uma ideia minimamente original. Liguem-me às 7 da manhã e conversamos...

Também quem é que se lembra de dar dinheiro a ganhar à Vodafone e à PT para tentar perceber para onde é que caminha a humanidade só por que um autarca qualquer vendeu a mãe em troca de um duplex com vista para o Tejo? Ou para garantir (garantir, veja-se!) que a esperança de renascimento do mundo passa por esse continente condenado que é África? Ou para informar que a conjugação astral favorece uma tomada de consciência social (que ninguém mais consegue vislumbrar quando olha para a forma como nos matamos uns aos outros)? Ou para outra coisa qualquer completamente despropositada a um olhar comum... Grande negócio fizeram as telecomunicações ao longo dos últimos 30 anos!

15 Comments:

Bjinhos

9/10/09 10:26  

Estavas mesmo com a pedalada toda...
Beijos grandes

9/10/09 11:31  

É perfeitamente normal.....
São só 16 dias.....

Força, coragem.....

O telefone pode não tocar, mas toca no pensamento a lembrança e o amor, que nunca vai acabar.

Beijinhos

9/10/09 11:41  

Ao longo desta nossa vida perdemos muitos que amamos e acabamos por nos conformar chorando, sentindo saudade, nostálgia, etc...!
Mas..."Um ou Uma" única pessoa pode fazer toda a diferença e colocar a nossa cabeça a bater mal.
E que nos leva a pensar muitas coisas o porquê, para onde, o que faz agora... e os vicíos? Esses ficam por muito tempo...sei como é...o telefone tocar e pensar é Ela!
Ligar o nº de telefone para conversar e o nº já não existe, chamar Mãe ao marido :( por engano, comer uma comida e pensar hummm Ela ia adorar era um dos pratos preferidos. Pensar os netos estão lindos ela ia adorar vê-los, ver os disparates que fazem :) Bem... poderia dizer aqui tanta coisa que senti e sinto, o que vejo, leio, ouço...e me leva o pensamento até ao Céu.
Até que decidi escrever um diário que já existia só era usado para momentos especias,agora escrevo para lhe contar alguns momentos importantes da minha vida, faço-o como se Ela estivesses a viajar ou num País distante e dá-me algum conforto.
Agora digo-te as saudades são eternas doer doí um pouquinho menos mas não sei até que ponto fiz luto...agora entendes o que sinto?
O meu único consolo é saber que não sofre, está num lugar lindo, com os que ama e protegida por Deus!

Beijinhos

9/10/09 11:51  

"Mas não era suposto, ao fim de 16 dias, estar mais conformada e ostentar já um sorriso estúpido de quem sabe como funciona a vida e sobrevive a tudo?"...ai amiga Nela, ao Mês 16 voltamos a falar, bale? Percebemos-te perfeitamente.

Bjcs grandes, estás ir muito bem.

9/10/09 12:08  

"Saudade é melhor do que caminhar vazio" - não faço ideia quem disse mas é bem verdade. Somos umas sortudas por ter tido Amigas que nos preencheram.

Percebemos-te mesmo bem. Bjs.

9/10/09 12:23  

Ai Mimas, até me fizeste rir agora... hehehehe

Ao mês 16, falaremos! Bale?

Beijocas a todas

9/10/09 13:48  

Tenho razão de sentir saudade,
tenho razão de te acusar.
Houve um pacto implícito que rompeste
e sem te despedires foste embora.
Detonaste o pacto.
Detonaste a vida geral, a comum aquiescência
de viver e explorar os rumos de obscuridade
sem prazo sem consulta sem provocação
até o limite das folhas caídas na hora de cair.

Antecipaste a hora.
Teu ponteiro enlouqueceu, enlouquecendo nossas horas.
Que poderias ter feito de mais grave
do que o ato sem continuação, o ato em si,
o ato que não ousamos nem sabemos ousar
porque depois dele não há nada?

Tenho razão para sentir saudade de ti,
de nossa convivência em falas camaradas,
simples apertar de mãos, nem isso, voz
modulando sílabas conhecidas e banais
que eram sempre certeza e segurança.

Sim, tenho saudades.
Sim, acuso-te porque fizeste
o não previsto nas leis da amizade e da natureza
nem nos deixaste sequer o direito de indagar
porque o fizeste, porque te foste

Carlos Drummond de Andrade

Beijocas e até amanhã.

9/10/09 14:20  

Como a entendo.
Sempre que me preparo para ir à terra, fico super feliz, pego no telemóvel para enviar mensagem à minha mana, a avisar que vou, que estou cheia de saudades, e depois, lembro-me!

Beijinhos e acho que o luto (o verdadeiro), não tem parâmetros nem limite de tempo.

9/10/09 15:41  

É isso mesmo VandaR.

E olha Nela, ainda bem que te fiz rir porque depois de escrever aquilo pensei, gaita que em vez de a animar só desanimo, mas pronto, tu percebeste o que eu queria dizer com aquilo...

Bjcs

E bale, claro, queira Deus que sim!

9/10/09 16:12  

O que era suposto era eu saber dizer-te qualquer coisa de jeito... Mas não! Por mais certezas que tenhamos da nossa finitude e da dos outros a "falta" é uma ferida sempre aberta. Leste o livro da Inês Pedrosa? Fazes-me falta? Esta dor está lá.Não sei é se passa. Acho que não. Todas as dores passam a fazer parte de nós, mas não passam. Um beijinho, Nela!

9/10/09 19:58  

Beijo grande, Nelinha.

9/10/09 23:13  

Olá Nela. Descobri este teu cantinho e claro que me pus a "cuscuvilhar". Vimo-nos no velório e na missa (MJ). Todos os dias penso na Nicha e em como tudo isto é injusto! Estive com ela no Domingo 20/09 e falamos na 2ª feira e parecia-me tão confiante que estava a melhorar que iria para casa brevemente. Não percebo, acho que não vou perceber nunca. Quando dizem que ela está bem, está num sítio melhor. Tretas! Não acredito. Ela estaria bem se estivesse perto do nós.

12/10/09 13:20  

É uma aprendizagem dura esta a que a nossa AMIGA nos obrigou...

12/10/09 15:07  

Madalena, li esse livro, sim... Há uns anos.
M João, estás muito zangada e eu percebo-te. Eu não vejo as coisas assim como tu. Não questiono a ida da Nicha. Desculpa-me, mas quase que a desejava perante aquele sofrimento. E fiquei aliviada quando ele terminou. O que tenho é muito simples: saudades. Sem perguntar: Porquê ela? Porquê tão cedo? Acho que "entendo" este percurso. Mas ela faz-me falta. É isso... Saudades...

Tens razão, Inês. Mais uma vez, ela ensina-nos qualquer coisa. Dura de aprender, mas aprendizagem de qualquer forma. Até isso temos para lhe agradecer.

Gostei muito que tivessem vindo aqui.

Beijinhos para todas.

12/10/09 22:00  

Enviar um comentário

<< Home