É só mais um bocadinho!

quinta-feira, julho 30, 2009

Risco de cancro cai para metade com 30 minutos de exercícios por dia

Estudo defende que a prática de exercício físico por pelo menos 30 minutos por dia não só previne o desenvolvimento de doenças cardiovasculares como reduz para metade o risco de cancro.A pesquisa, publicada recentemente pelo "British Journal of Sports Medicine", indica que, quando uma pessoa pratica desportos de média ou alta intensidade, o consumo de oxigénio aumenta e ajuda o corpo a combater diversos tipos de doença, entre elas o cancro. Para chegar a essa conclusão, uma equipa de investigadores das universidades finlandesas de Kuopio e Oulu acompanhou por quase 17 anos os hábitos de vida de mais de 2.500 homens adeptos de práticas desportivas e que tinham entre 42 e 61 anos de idade. Do total dos participantes do estudo, 181 morreram na sequência de algum tipo de cancro. Os mais frequentes foram de pulmão, próstata, cérebro, na região gastrointestinal e os linfomas. Ao longo da pesquisa, os cientistas estudaram os hábitos desportivos dos voluntários para determinar, em unidades metabólicas (MET), qual a quantidade de oxigénio consumida durante a prática de exercícios segundo a intensidade do mesmo. Ficou constatado, por exemplo, que a quantidade de oxigénio consumida numa caminhada normal, numa caminhada acelerada e durante o nado é de 4,2 MET, 10,1 MET e 5,4 MET, respectivamente. Em média, a quantidade de oxigénio consumida por todos os voluntários nos seus exercícios era de 4,5 MET, dedicando 66 minutos a actividades físicas. No entanto, 27% deles não dedicavam meia hora de seu dia à prática de desporto. Com esses dados, os investigadores concluíram que um aumento de 1,2 MET na quantidade de oxigénio consumida durante exercícios reduz os riscos de cancro, especialmente de pulmão e na região gastrointestinal. Durante o estudo, os cientistas avaliaram outros factores exógenos, como a idade, o consumo de álcool e tabaco, a alimentação e o índice de massa corporal.
Fonte: http://saude.sapo.pt/

quarta-feira, julho 29, 2009

Bronzeado de solário

Os raios ultravioleta (UVA) dos solários, até agora considerados «supostamente» cancerígenos, foram classificados como «cancerígenos» pelo Centro Internacional de Investigação sobre o Cancro (CIRC).
A conclusão foi divulgada nesta terça-feira, por um grupo de 20 especialistas, de nove países, reunidos no CIRC, que é a agência da Organização Mundial de Saúde (OMS) para esta enfermidade, com sede em Lyon (centro da França). Desde 1992, os raios solares ultravioletas (A, B e C), do mesmo modo que os UVA artificiais de lâmpadas de bronzeamento, figuram no nível 2 da classificação do CIRC, mas diante dos últimos estudos científicos, o órgão elevou todos os raios ultravioletas ao nível 1: cancerígeno para o homem. «Uma análise concluiu que quando a exposição aos raios UVA artificiais começa antes dos 30 anos de idade, o risco de melanoma (a forma mais agressiva do cancro de pele) aumenta em 75%», destaca o CIRC. O organismo destaca ainda que «numerosos estudos mostraram uma ligação entre o bronzeamento artificial e o melanoma ocular». «Não somos uma agência reguladora; publicamos resultados científicos para que as agências de saúde nacionais possam tomar as decisões que julguem necessárias», explicou à AFP Vincent Cogliano, um dos pesquisadores do CIRC. Segundo um estudo da Associação Alemã para a Prevenção Dermatológica, realizado no final de 2008, cerca de 14 milhões de alemães com entre 18 e 45 anos fazem bronzeamento artificial e um quarto deste total começou com entre 10 e 17 anos. Georges Reuter, presidente do Sindicato Francês de Dermatologistas, disse que o «grande perigo é tentar manter o bronzeado durante todo o ano». Segundo Reuter, o limite de sessões de bronzeamento é de dez ao ano. «O outro perigo é a má manutenção das instalações», disse Reuter, lembrando que os tubos que produzem os raios UVA envelhecem e que a luz que emitem é ainda mais perigosa.
SAPO/AFP

terça-feira, julho 28, 2009

Será possível??????

O Governo do Cambodja criou uma comunidade nos arredores da capital, Phnom Penh, que se tornou conhecida como «colónia para infectados com HIV». Desde o mês passado, que o executivo começou a deslocar as famílias afectadas pelo vírus, que viviam na região de Borai Keila, para ali. As Organizações de defesa dos direitos humanos estão chocadas com a medida, avança a CNN.
É um conjunto de barracas, construídas com metal muito fino. Tão fino que os ladrões «conseguem, com uma simples faca, abrir buracos nas paredes», dizem os moradores. «Juntar um grupo de pessoas infectadas, em habitações sem qualquer qualidade, longe dos seus postos de trabalho e longe dos cuidados médicos é inaceitável», afirmou à CNN Shiba Phurailatpam da «Network of People Living With HIV». Alguns falam mesmo «em discriminação».
A Human Rights Watch divulgou, na passada semana, uma carta assinada por mais 100 organizações, que enviou ao primeiro-ministro do Cambodja e ao ministro da Saúde, sobre a existência dessa comunidade. Na missiva lamentam o que se está a passar e apelam às autoridades que revejam a iniciativa.

(in PortugalDiário online)

Oh Yes, We Can!!!



A prova de que é possível fazer quando se sonha...

sexta-feira, julho 24, 2009

Bom fim de semana!




quinta-feira, julho 23, 2009

***Deixem a vida despentear-vos!!!***




Parabéns, Irmã da minha alma!

" Hoje aprendi que é preciso deixar que a vida te despenteie, por isso decidi aproveitar a vida com mais intensidade...
O mundo é louco, definitivamente louco...O que é bom, engorda. O que é lindo, custa caro. O sol que ilumina o teu rosto, enruga-o. E o que é realmente bom nesta vida, despenteia...

- Fazer amor, despenteia.
- Rir às gargalhadas, despenteia.
- Viajar, voar, correr, entrar no mar, despenteia.
- Tirar a roupa, despenteia.
- Beijar com paixão, despenteia.
- Brincar, despenteia.
- Cantar até ficar sem ar, despenteia.
- Dançar até duvidar se foi boa ideia calçar aqueles saltos gigantes naquela noite, deixa o teu cabelo irreconhecível...

Então, como sempre, cada vez que nos virmos eu vou estar com o cabelo todo despenteado..., mas podes ter certeza que estarei a passar por um bom momento.

É a lei da vida: sempre vai estar mais despenteada a mulher que decidir ir no primeiro carrinho da montanha russa do que aquela que decide não subir.
Pode ser que me sinta tentada a ser uma mulher impecável, toda arrumada por dentro e por fora, o aviso de páginas amarelas deste mundo exige boa presença: penteia o cabelo, compra, corre, emagrece, come coisas saudáveis, caminha direita, sê séria... é, talvez deveria seguir as instruções, mas quando vão me dar a ordem de ser feliz?
Por acaso não se dão conta que para ficar bonita, tenho que me sentir bonita... A pessoa mais bonita que posso ser!?

O que realmente importa é que ao olhar-me ao espelho, veja a mulher que devo ser.
Por isso, a minha recomendação a todas as mulheres: entreguem-se, comam coisas deliciosas, beijem, abracem, dancem, apaixonem-se, relaxem, viajem, pulem, durmam até tarde, acordem cedo, corram, voem, cantem, arranjem-se para ficarem lindas, arranjem-se para ficarem confortáveis, admirem a paisagem, aproveitem, e acima de tudo:

Deixem a vida despentear-vos!!!"

(autor anónimo, decerto despenteado...)


ImageChef.com - Custom comment codes for MySpace, Hi5, Friendster and more

terça-feira, julho 21, 2009

Depilação... especialmente para a Madalena!



Com a remoção de gânglios linfáticos, a circulação da linfa no braço afectado torna-se mais difícil, portanto, mais suscetível a infecções. Para preveni-las, siga as recomendações que seguem:


- não remover as cutículas;
- use somente máquina de barbear elétrica para depilar a axila do braço afectado. Não use lâmina de barbear, cera ou creme depilatório. Não use máquina especial para mulheres que arrancam o pêlo em vez de o cortar. Use máquina de barbear, para homem, com cabeças protectoras;
- use somente desodorante sem perfume, indicado pelo seu médico;
- previna-se contra picadas de insectos (peça orientação sobre repelentes ao seu médico);
- use luva anti térmica, própria para cozinhar, quando mexer em panelas quentes ou manipular alimentos que estão no forno (convencional ou microondas) enquanto estiverem quentes, assim como quando mexer em lareira acesa;
- evite picadas de agulhas ou alfinetes: quando costurar ou bordar, use um dedal;
- para evitar que a pele resseque, formando micro rachaduras, hidrate a pele do braço e da mão, usando creme ou loção sem perfume, várias vezes ao dia;
- use luvas de borracha para mexer com tintas ou materiais tóxicos, para realizar trabalhos de jardinagem, lidar com animais domésticos (evite arranhaduras), lavar louça, roupa ou usar esponja de aço.

Zoladex

... ou o raio que o parta...

Última novidade: tenho um implante de Goserrelina, conhecido como Zoladex.
Zoladex pertence a um grupo de medicamentos designados por anti-hormonais. Isto significa que afecta os níveis de várias hormonas (substâncias químicas naturais produzidas pelo organismo).
No homem, reduz os níveis de uma hormona masculina, a testosterona. Na mulher, reduz os níveis de uma hormona feminina, o estrogénio.

Todos os meses levarei a dita injecção para colocar o dito implante até que a menopausa se instale definitivamente. Tudo isto surgiu agora após alguns sintomas de que a "tão desejada" menopausa afinal ainda não estava para sempre. Reavaliação ao fim de 6 meses. Pode ser que, nessa altura, a coisa já seja um facto incontestado.

Mas, vou-vos contar, aquilo custa como o raio. A agulha deve ter aí uns 3 mm de espessura...! Foi a única vez em que bendisse o facto de ter uma boa banhoca na barriga. A enfermeira diz que até tem pena das pessoas com barriguinhas lisas...

Fogo!

quinta-feira, julho 16, 2009

It's about us...


The time to act is now!

Campanha Patrick Dempsey contra o cancro In Diário de Notícias

O actor uniu-se a diversos artistas numa campanha da Lance Armstrong Foundation, onde revelam as suas experiências pessoais ao lidar com o cancro.

Patrick Dempsey, o famoso "Derek" de “Anatomia de Grey” aceitou participar numa campanha liderada pela Lance Armstrong Foundation, intitulado "It's About You". A campanha conta com a participação de diversos artistas que revelam suas experiências pessoais ao lidar com o cancro, ajudando assim quem se vê confrontado de um dia para o outro com a doença. A campanha está aberta à participação de todos. Para tal, basta assinando a petição do World Cancer Declaration e comprando as pulseiras cujas receitas revertem a favor do projecto.

http://www.uicc.org/index.php?option=com_content&task=view&id=14227&Itemid=356

The World Cancer Declaration is a plan of action to help substantially reduce the global cancer burden by 2020 and increase cancer's visibility on the international political agenda.
How you can get involved:

- Encourage Individuals and Organizations to endorse the Declaration
- Encourage local and national media coverage on the Declaration
- Become an official Declaration partner
- Develop E-advocacy campaigns focused on the Declaration
- Develop translations of the Declaration in your native language
- Develop national adaptations of the Declaration

Your signature endorsing the Declaration will help to:

- show the world's leaders that the global cancer community stands united behind this for call for action to reduce the global cancer burden significantly by 2020.
- represent a consensus between foundations, national and international non-governmental and governmental organizations, professional bodies, the private sector, academia and civil society from all continents that are committed to the vision of eliminating cancer as a major threat for future generations.
- help cancer advocates bring the growing cancer crisis to the attention of health policymakers at national, regional and global levels.

The UICC encourages partnership within the framework of the World Cancer Declaration. By working together, we can more easily implement the priority actions and achieve the 2020 targets.

Se outro motivo não houvesse (e há dezenas deles... e sérios!), só para fazer o gosto ao "Derek", era de assinar! Ele é tão fofo!!!!!

quarta-feira, julho 15, 2009

Consultas gratuitas

Consultas gratuitas para os doentes oncológicosA União Humanitária dos Doentes com Cancro - http://doentescomcancro.org/uhdc/index.php vai passar a disponibilizar consultas gratuitas de apoio psicológico a doentes com cancro e seus familiares, no Núcleo de Apoio ao Doente Oncológico, na Av. de Ceuta Norte, Bairro do Loureiro, Lote 11 – Loja 2, Lisboa, de segunda a sexta, entre as 9 e as 18h.
Segundo o presidente da associação, Luís Filipe Soares, a iniciativa é muito importante para os doentes oncológicos mais carenciados que, tantas vezes, não têm o apoio necessário na luta pela vida.Segundo a psicóloga da associação, Cláudia Costa, é necessário dar apoio psicológico e emocional que permita ao doente com cancro recuperar a auto-estima e ajuda-lo a desenvolver estratégias.Para marcar a consulta, diz a associação,
basta ligar 213 619 542.

terça-feira, julho 14, 2009

da Maguie

Hoje a noite foi longa,não conseguia adormecer e nesse tempo veio á memória o dia do diagnóstico, aquele dia em que tive a certeza que a minha vida iria mudar.
Quase que presentindo o que viria, não quis que o marido me acompanhasse á consulta e fui com a minha irmã, a ansiedade era enorme, ao entrar na sala onde o médico me aguardava senti um arrepio acho que proprio de quem espera por algo incerto ou não...e o sorriso habitual com que ele sempre me recebia já não era o mesmo.
Os minutos que se seguiram enquanto ele folheava o meu processo acho que para fazer tempo,pareciam horas e o meu estado de ansiedade fez com que eu lhe perguntasse sem rodeios " então Dr. o o que deu a Biopsia desta vez?"( já era a 2ª porque a 1ª tinha dado negativo) foi quando ele sem coragem de me dizer o resultado virou o ecrã do PC para que eu pudesse ler, mas não foi necessario as lágrimas da minha irmã ditaram o resultado.
O meu mundo caiu, a partir daquele momento tive a certeza que a minha vida nunca mais seria a mesma, o primeiro pensamento que tive foi de que iria morrer.. A palavra Cancro é assustadora, e a mim sempre me assustou imenso, mas tambem sempre pensei que ela nunca viesse bater na minha porta, mas veio e não bateu, entrou sem pedir licença para o fazer.
Depois de varias horas em que chorei, gritei e lamentei a minha sorte, numa outra sala do Hospital,onde fui acarinhada por uma equipa de enfermeiras, e onde me explicaram o que teria de fazer a partir daquele momento, saí de lá com uma certeza, não seria um cancro de mama que me iria derrubar!!Nesse mesmo dia mês de Natal, depois de deixar a minha mana em casa, ainda fui ao Colombo encontrar um pequeno grupo de amigos com quem tinha marcado um lanche, LUA, PRL, VIRIATO, o trio benfiquista.
Fiz os possiveis e impossiveis para não dar a entender o meu desespero, ri por fora enquanto o meu coração sangrava por dentro,tentei aproveitar ao máximo o encontro, e não queria de maneira alguma estragá-lo com o meu problema, e consegui porque quem olhasse para mim não diria que poucas horas antes eu soube que tinha cancro.
O pior viria depois, como contar á familia, durante o dia o marido já tinha telefonado para saber o resultado, e eu tinha dito que estava tudo bem, não era por telefone que ele iria saber, quando saiu do trabalho passou pelo Colombo para me levar para casa, e pedi-lhe para parar no caminho antes de lá chegar. O choque foi muito grande, tambem ele não estava preparado para uma noticia dessas, mas o pior viria depois, como contar ao nosso filho.
Nesse dia fomos jantar em familia em casa dos meus pais, para dar a noticia a todos,novamente durante o jantar eu demonstrei alegria, mesmo quando a minha mãe insistia em perguntar o resultado, eu dizia esta tudo bem.Depois do jantar reuni todos na sala e começou a minha palestra.
Claro que foi o desespero de todos, mas o meu filho foi o que mais me assustou, o choque foi muito grande e ele ficou parado de olhos arregalados sem pestanejar, acho que naquele momento o seu coração parou de bater,não disse uma palavra,foi preciso sacudi-lo, entrei em pânico, naquele instante pensei que o ia perder, foi o pior momento da minha vida, mas foi tambem a partir dali que eu coloquei na minha mente, que iria sobreviver, custasse o que custasse. Os dias que se seguiram foram terriveis, ninguem dormia ca em casa, o meu filho só saia para trabalhar e regressava logo, não queria sair com os amigos, com a namorada, só queria estar perto de mim, deixou de viver a vida dele para viver a minha, e isso não era justo, foi dificil fazer entender que eu não iria morrer, que a vida continua, que há vida para alem do cancro, passado muito tempo a vida voltou ao normal, dentro de algumas limitações, mas voltou.
Todos estes meses têm sido dificeis, a cirugia, os tratamentos dolorosos, a queda de cabelo, tudo isso mexe com as minha emoções, mas eu tal qual uma arvore em dias de tempestade, tenho abanado e muito, mas não caio e nem irei cair, os safanões têm sido fortes, muito fortes a tal ponto de chegar ao desespero e desejar a morte, mas logo de seguida estou de pé novamente e pronta para a luta que está perto do final. Eu prometi á minha familia que tem sido o meu suporte, de que nada me iria derrubar, e tenho de cumprir. Nestes momentos é que nós descobrimos o quanto somos fortes, eu descobri forças que jamais imaginava que tinha, onde as fui buscar?? não sei, mas sei que as tenho e muito.Agora até pequenas coisas que eu julgava serem insignificantes, têm para mim outro valor, passei a ver a vida de uma outra maneira, mudei em vários sentidos, e sei tambem que nunca mais serei a mesma.T
uo isto serviu tambem para descobrir os verdadeiros amigos, alguns se foram, os verdadeiros ficaram e novos entraram na minha vida como uma benção.Estou perto do final, falta uma sessão de quimioterapia, e de seguida as de Radioterapia, espero até ao final deste ano, que tudo volte ao normal, que o maldito já tenha sido despejado de vez.
Espero que todo este meu desabafo sirva para encorajar muitas mulheres que ainda estejam na fase inicial, naquela fase em que tudo parece negro,aquelas que (como eu) ainda não descobriram que por tras das nuvens tambem existe o sol.
Temos de ter sempre em mente que o cancro tambem pode morrer, que ha vida para alem dele, que podemos ser pessoas normais e eu sinto-me MULHER em todo o sentido, e dizem que sou uma grande mulher, começo a acreditar que sim (lol). Todo este sofrimento serviu para que eu me descobrisse a mim própria,estou mais sensivel, mais emotiva, choro com mais facilidade, e sofro com pequenas coisas que por vezes não deveria, mas não consigo evitar...
È assim, mas a vida continua, há que vivê-la da melhor maneira possivel, nunca mais vou deixar para amanhã o que poderei viver hoje,vou viver um dia de cada vez como se fosse o ultimo mas sempre em prol da minha felicidade e dos que me rodeiam....

Maguie

(retirado do blog http://maguie-euvouvencer.blogspot.com/ )

segunda-feira, julho 13, 2009

A terapia da Tila comprovada cientificamente...!

Um estudo da Escola de Psicologia da Universidade Keele, na Inglaterra, publicado pela revista NeuroReport, revelou que dizer palavrões pode ajudar a diminuir a sensação de dor física.
Segundo a BBC Brasil, o estudo, dirigido pelo psicólogo Richard Stephens, foi feito com 64 voluntários que colocaram as mãos dentro de baldes de água cheios de gelo, enquanto diziam uma asneira à sua escolha. Na segunda parte do teste, os voluntários repetiram a experiência, mas em vez do palavrão tinham que escolher uma palavra usada normalmente para descrever uma mesa.
Segundo os resultados, os voluntários suportavam mais 40 segundos quando diziam palavrões e também sentiam menos dor.
No entanto, o ritmo cardíaco aumentava na primeira fase do teste. Os cientistas acreditam que esse facto se deve ao aumento da agressividade, o que por sua vez, diminuía a sensação de dor.
«O uso dos palavrões existe há séculos e é quase um fenómeno linguístico humano universal», afirmou Stephens. Dizer palavrões não provoca apenas uma resposta emocional, mas também uma resposta física, o que pode explicar porque é que «o uso dos palavrões» persiste.
«Os palavrões mexem com o centro emocional do cérebro e parece crescer no lado direito do cérebro, enquanto que a maior parte da produção linguística ocorre do lado esquerdo. A nossa pesquisa mostra uma potencial razão para o aparecimento dos palavrões, e porque é que eles persistem até hoje», referiu o psicólogo.
(in PortugalDiário online)

quinta-feira, julho 09, 2009

Y E S ! ! !

A Lurdes já está em casa!
Toma, incha porco!


terça-feira, julho 07, 2009

O Huguinho e a Filipa

O Huguinho tem 21 ou 22 anos. Namora com a Diana. São estudantes.

(E agora a seguir, viria o cliché habitual: são jovens, têm a vida toda pela frente, ainda mal começaram a viver, blá blá blá... Aquelas coisas que se dizem sempre dos jovens (dizem os mais velhos, claro!) como se os jovens fossem todos iguais... Nós, os mais velhos, quando éramos jovens, achávamo-nos diferentes de todos os outros e os mais velhos também insistiam em nos colocar num grupo homogéneo a que chamavam “vocês, os jovens...”. Ai... Como a história tristemente se repete...
Bom, mas isto foi um aparte.)

Quero só dizer que o Huguinho é um jovem como os outros, mas com uma experiência mais pesada: um cancro nos ossos. Anda a fazer quimioterapia e foi hoje proceder à recolha de medula para um posterior auto-transplante. Está careca, mas confiante. A Diana está ao lado dele e as amigas da Faculdade estão ao lado da Diana e do Huguinho.

Agora a Filipa. Tem 29 anos e um carcinoma na mama. Está a começar o processo. Vai iniciar-se com a quimio e só depois a cirurgia. As dúvidas são as do costume. As mesmas que nós tivemos. A mesma angústia, o mesmo medo. Mas também a mesma esperança e a mesma vontade de dar luta ao problema até estar resolvido.

Haverá quem faça cara de consternação e diga: ah, coitados... São tão novos...
E são, de facto. Mas, acima de tudo, são corajosos.

Quem é que falou em geração rasca??? Rasca é este bicho que não deixa o pessoal em paz...

domingo, julho 05, 2009

Notícias da Lurdes

Não tenho postado aqui, mas tenho falado com a Lurdes e as coisas estão a correr bem lá no aquário. Houve uma infecção urinária que ficou resolvida com antibióticos. Agora, já está na rampa ascendente. O nível mais baixo de defesa já passou e os valores já começaram a subir. É uma questão de tempo e ela está cá fora.
E vai correr tudo bem!
Beijinhos

Update: A Lurdes vomitou esta noite e teve febre, mas já se sente melhor e a temperatura já estabilizou. Agora está a coca-cola... :op

quinta-feira, julho 02, 2009

O Caderno de Saramago

"... Transportamos o que vemos e o que sentimos (supondo que o ver e o sentir, como em geral os entendemos, sejam algo mais que as palavras com o que nos vem sendo relativamente possível expressar o visto e o sentido…) para um código convencional de signos, a escrita, e deixamos às circunstâncias e aos acasos da comunicação a responsabilidade de fazer chegar à inteligência do leitor, não a integridade da experiência que nos propusemos transmitir (inevitavelmente parcelar em relação à realidade de que se havia alimentado), mas ao menos uma sombra do que no fundo do nosso espírito sabemos ser intraduzível, por exemplo, a emoção pura de um encontro, o deslumbramento de uma descoberta, esse instante fugaz de silêncio anterior à palavra que vai ficar na memória como o resto de um sonho que o tempo não apagará por completo."

(Retirado do blog: http://caderno.josesaramago.org/ de José Saramago (sou, incondicionalmente, fã!!!)

... esse instante fugaz de silêncio anterior à palavra que vai ficar na memória como o resto de um sonho que o tempo não apagará por completo... o instante do silêncio anterior à palavra é pois como o limiar de uma passagem “alquímica” em que o que é precisa de se transformar noutra coisa para continuar a ser o que havia sido... (e não é que ele, com aquela idade, ainda brinca... com as palavras)

quarta-feira, julho 01, 2009

O Rui e a mãe

O Rui deixou um comentário no post anterior e remete-nos para o seu blog:
http://maecancromama.blogspot.com/
Nem vou comentar o blog de tal maneira este Rui (que tem 18 anos e escreve bem e com a alma) me tocou. Transcrevo o seu último post e peço-vos que passem lá e leiam. Só isso.
Acompanhei a minha mãe o dia inteiro e as situações desesperantes sucederam-se. Primeiro paramos em Boticas para falar com o médico de família como ela previra. Quando saiu do consultório notei os seus olhos húmidos de lágrimas e explicou-me que ele a encaminhara de imediato para o IPO (instituto Português de Oncologia) onde irá fazer uma biopsia para perceber quão grave é o que tem no peito. Isto porque segundo o médico acha que o caroço é tão grande que não pode ser nada de bom. O mundo caiu-me aos pés. Dentro de mim penso que tinha ainda uma vaga esperança de que o inchaço fosse algo banal, sem importância mas esta constatação por parte do médico de que algo se passa assusta-me profundamente. Na viagem entre Boticas e Chaves choramos os dois. Não aguentei mais como ontem. Afinal de contas comecei a ter consciência do que se estava a passar na minha vida, na vida da minha mãe, de como as coisas mudaram de uma forma tão abrupta. Ela contou-me que já encontrara o caroço há muito tempo mas que não dissera nada por medo. Claro que pensei em insulta-la por ter feito isso mas quando me explicou que apenas o fizera por nossa causa, por causa de toda a família, para não estragar todos os meus sonhos, para não estragar a infância da Rita (a minha irmã de apenas oito anos) e para que ninguém sofresse por ela, não aguentei e chorei, pouco, apesar de ser minha vontade chorar horas a fio.
Em chaves fomos fazer algumas compras… pijamas, materiais de higiene… segundo ela para levar para o hospital se for preciso. Eu acompanhei-a, calado, sem coragem para falar, apenas pensando na situação por que iríamos passar se confirmasse um cancro. Aqueles gestos, o facto de ela estar a comprar tudo aquilo como se soubesse de facto o que lhe ia acontecer deixou-me de rastos, como se toda a esperança que eu sentira no dia anterior me tivesse abandonado finalmente.
Fomos visitar o ortopedista para saber o que se passa com o ombro. Ele disse-lhe que tinha o braço demasiado frágil e que deveria entrar de baixa no emprego de imediato e que talvez as dores que sentira lhe viessem de facto da mama. Terá que fazer uma ressonância magnética para saber o que se passa e a única coisa que peço neste momento é que não seja nada de grava porque já chega a dor que estou a sentir por saber o que se passa no seu peito.
Regressamos a Boticas para uma dura tarefa: a minha mãe contou ao meu pai o que se passa no seu peito. Ela chorou revoltada, ele não. Não é homem de chorar por fora, mas sei que por dentro ficou tão aterrorizado como eu. Afigurou-se-lhe com certeza a possibilidade de perder a mulher de 19 de casamento, tal como a mim se me afigura a cada momento perder a minha mãe, a mulher mais importante de minha vida ao longo destes 18 anos de idade que em retrospectiva me sabem a tão pouco.
Tive de tratar do jantar, da louça, porque ela está proibida de mexer com o braço. Serve para me habituar caso ela vá para o hospital. Mandei uma mensagem á minha tia arlete para que telefonasse e ela assim fez. Falou com a minha mãe que lhe contou o que se passa. Não pude evitar chorar mais uma vez, no meu quarto, ao perceber a inevitabilidade do inferno que vamos viver. Também contei ao meu tio augusto. É algo que temos de fazer, ficar todos ao corrente do que vamos viver. Todos ficaram chocados com a situação, mas nem todos estão informados ainda.
A nossa vida vai mudar. Foi isto que me disse a minha mãe e eu sei que é verdade. O meu sonho de ir para a universidade está em perigo, eu sei, mas não me importo. Neste momento só quero saber das melhoras da minha mãe. Sofro pela minha irmã que, inocente, se passeia pela casa cantando e dançando de pura alegria por ter entrado de féria há pouco tempo. É natural e fico feliz por perceber que a sua inocência não a deixa perceber que algo de muito mau se passa com a sua mãe que ela constantemente diz amar com ternura. Estou a chorar ao escrever isto e era assim que queria ficar para sempre… a chorar para expulsar esta mágoa que sinto, este medo que tenho de perder a minha querida e amada mãe
.