É só mais um bocadinho!

terça-feira, fevereiro 28, 2012

Blog encerrado

Ao fim de 6 anos de actividade, este blog vai fechar. Foi um depositório de dúvidas, de tristezas, de alegrias, de projectos, de renascimentos...
Foi causa do aparecimento de uma força nova e inimaginável, que se chamou Amigas do Peito e do Coração. E em consequência, também viu desaparecer muita gente, gente que batalhou e não ficou...
Nos tempos iniciais, eu gostava de escrever longos textos. Também gostava de fazer descrições cómicas capazes de pôr o pessoal a falar de "nada" durante uns bons dias. E os laços foram-se criando.
Hoje, escrevo menos. Várias coisas me foram tornando mais silenciosa. Por isso mesmo, mais atenta. E também, mais desligada. Se calhar, é mesmo só mais velha... Hehehehe...
Acho que não. Gosto de ficar no meu silêncio a olhar o movimento das opiniões. Como se fossem pássaros apardalados. E sorrio. Agora, sorrio muito. Porque aceito. Aceito com aquele amor de quem já viu o filme mais do que uma vez. O tempo tornou-se meu amigo. Não o do relógio, mas o outro - o de muitas vidas. E quando se olha só para essas vidas todas, não resta mais nada a não ser sorrir.
Como este começou por ser um blog sobre a minha experiência de cancro da mama, vou acabá-lo em contra-corrente sobre o tema. Fala-se muito de sobreviventes, de mulheres-coragem, de guerreiras, de pessoas que, com a sua força, ultrapassaram a doença, de vencedoras. É verdade. São isso. Somos isso. Mas, para terminar, vamos falar das outras. E vou buscar as palavras de uma amiga, a Teresa, para dizer que "...quem (sobre)vive a um cancro é uma pessoa cheia de sorte e não uma vencedora (porque quem morre também se fartou de lutar e nem por isso ganhou...)".
E elas são a Cláudia, a Anixinha, a Buba, a Aida, a Nicha, a Sónia, a Maria João, a Maria José, o Hugo, o RS, o Nelson, a Ana Patrícia, etc, etc, etc... Tudo, guerreiros!
Até já

sexta-feira, fevereiro 10, 2012

Fazer da vida um Carnaval...!

segunda-feira, dezembro 19, 2011

Bom Natal...!

sábado, dezembro 10, 2011

Que 30 anos, que nada...!

video

Finalmente, o Facebook serviu para alguma coisa além da habitual cusquice e genuino interesse em saber o que vai aquela fazer para o jantar ou o que disse a prima da outra... Serve para encontrar aquelas pessoas que já não víamos há... sei lá... bué.
Assim, descobri a Manela com quem não contactava há 30 anos. A seguir cacei a Natália. Com a Márcia fui sempre mantendo contacto. Ficou só a faltar a Ana. Mas o encontro e o almocinho, esse não faltou!

Agora essa dos 30 anos é que me está a custar engolir. Que 30 anos, que nada! Passaram, quê? 30 dias? Vá lá, 30 meses?!

Pois se falámos como se não houvesse tempo longe pelo meio. Pois se estivemos entre nós como sempre. Pois se ainda nos lembramos tão bem daquela cena da Natália na escada. Pois se a Márcia ainda quer ser o que queria - cão. Pois se ainda ontem fomos ver o filho da Manela. Pois se, tirando algumas rugas, ainda somos aquelas que atravessaram anos, aventuras e pátios de liceu, como é que podem ter passado 30 anos...?

Nã... Não passou tempo nenhum! Pois se ainda a semana passada tivémos aulas com o Joãozinho da voz doce e cortámos na casaca da Ondina e desistimos da geografia da Lady Bomba...

sexta-feira, outubro 21, 2011

Até já

quinta-feira, outubro 13, 2011

Apelo



Como alguns já sabem, participo (como madrinha) num projecto de apadrinhamento directo de crianças, em Moçambique, levado a cabo por um português - Vítor Barata. O trabalho que ele tem feito é notável. Já foi mostrado no programa "Príncipes do Nada" na RTP, conduzido pela Catarina Furtado.

Neste momento, O Vítor pede-me que divulgue um apelo: encontrar pelo menos uma madrinha para uma criança...

Segundo as suas palavras: “... Desde que Portugal começou a ficar mais afectado pela crise tenho sentido mais dificuldade em continuar a apoiar semanalmente as crianças beneficiárias deste projecto.

Isso deve-se a vários factores, entre os quais:

1º - A grande desvalorização do euro (-30% em menos de um ano) o que corresponde o mesmo donativo em euros a menos meticais;

2º - Por dificuldades financeiras pessoais algumas madrinhas/padrinhos começaram a diminuir os valores enviados, espaçá-los mais no tempo, saltar meses, deixar de enviar simplesmente, etc.

Nesse sentido, se tiver possibilidade, poderia ajudar ao divulgar o meu trabalho, tentando encontrar pelo menos uma madrinha para uma criança, (das 102 inscritas, existem 13 que não têm apoio).

Assim, peço o favor de recomendar aos seus conhecidos as informações seguintes na esperança de eles se solidarizarem:

Este projecto baseia-se no apoio a crianças órfãs, e iniciativas comunitárias (construção e reabilitação de escolas, latrinas, água potável, etc.), em Moçambique, no interior rural norte, a 1800 km da capital.

Conheça melhor o projecto através de fotos aqui:

http://apadrinhamento.posterous.com/

e aqui:

http://apadrinhamento.webs.com/projectos.html

Como coordenador deste projecto, pode ver a minha informação básica aqui:

http://www.facebook.com/vitor.barata?sk=info

http://www.linkedin.com/in/vitorbarata

Uma entrevista pela Catarina Furtado em "Príncipes do Nada":

http://mumemo.no.sapo.pt/reportagem.html

http://www.youtube.com/watch?v=abtOtR4NIRc

Finalmente uma forma de envolver, colaborar e de se solidarizar com uma criança órfã é apadrinhando-a. Agradeço que me indique qual a criança que deseja apoiar, através deste apadrinhamento. Veja aqui:

http://goo.gl/aA7kx “

Por favor, se puderem, ajudem. Fui madrinha da Daulisa e agora sou madrinha da sua irmã Joaquina. Sei que este apadrinhamento pode fazer a diferença na sobrevivência destas crianças, na manutenção dos seus estudos e na sua vida futura. Eu sei que estamos em crise... Mas a crise destas crianças é maior...

Obrigada

segunda-feira, outubro 03, 2011

Outubro é em tons Rosa Esperança!


ÚLTIMA HORA: O evento anunciado para dia 7 de Outubro no Jardim Buddha Eden foi ADIADO para data a anunciar posteriormente. Pelo facto, que nos ultrapassa, pedimos desculpa.

Este Outubro é em tons Rosa Esperança!

O Movimento Rosa Esperança e o Jardim Buddha Eden associam-se e promovem uma campanha de sensibilização a favor da luta contra o cancro da mama.

Com a sua entrada no Buddha Eden entre 7 e 31 de Outubro receberá uma garrafa de vinho e terá a oportunidade de contribuir para uma causa justa e solidária.Todos Juntos Nunca Seremos Demais a Lutar Por Esta Causa!

Aproveitem para conhecer este fantastico jardim e ajudem-nos a continuar a espalhar esta mensagem de Esperança!

terça-feira, setembro 27, 2011

Vírus mata células com cancro da mama

Pode estar aqui a esperança para millhões de mulheres em todo o mundo. Os cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade de Penn acreditam ter descoberto a cura para o cancro da mama. Trata-se de um vírus que mata as células cancerígenas em apenas sete dias.

O estudo AAV2 revelou que o vírus produz efeitos e é capaz de eliminar as células doentes em várias fases de desenvolvimento do cancro da mama. O vírus não é um desconhecido para os investigadores, que já em 2005 tinham descoberto o seu potencial na cura das células que sofriam de HPV (vírus papiloma humano).

A descoberta dá um novo fôlego à investigação científica do cancro da mama, mas a ordem é para não cruzar os braços. Os investigadores da Penn estão agora a tentar guiar o vírus de maneira a que as células cancerígenas se destruam entre elas.

http://www.tvi24.iol.pt/

sexta-feira, setembro 23, 2011

À tua...!

... Onde quer que estejas... Com 2 anos de infinitas saudades.

"As pessoas têm de morrer; os amores de acabar. As pessoas têm de partir, os sítios têm de ficar longe uns dos outros, os tempos têm de mudar. Sim, mas como se faz? Como se esquece? Devagar. É preciso esquecer devagar. Se uma pessoa tenta esquecer-se de repente, a outra pode ficar-lhe para sempre. Podem pôr-se processos e acções de despejo a quem se tem no coração, fazer os maiores escarcéus, entrar nas maiores peixeiradas, mas não se podem despejar de repente. Elas não saem de lá. Estúpidas! É preciso aguentar. Já ninguém está para isso, mas é preciso aguentar. A primeira parte de qualquer cura é aceitar-se que se está doente. É preciso paciência. O pior é que vivemos tempos imediatos em que já ninguém aguenta nada. Ninguém aguenta a dor. De cabeça ou do coração. Ninguém aguenta estar triste. Ninguém aguenta estar sozinho. Tomam-se conselhos e comprimidos. Procuram-se escapes e alternativas. Mas a tristeza só há-de passar entristecendo-se. Não se pode esquecer alguém antes de terminar de lembrá-lo. Quem procura evitar o luto, prolonga-o no tempo e desonra-o na alma. A saudade é uma dor que pode passar depois de devidamente doída, devidamente honrada. É uma dor que é preciso aceitar, primeiro, aceitar.

É preciso aceitar esta mágoa, esta moinha, que nos despedaça o coração e que nos mói mesmo e que nos dá cabo do juízo. É preciso aceitar o amor e a morte, a separação e a tristeza, a falta de lógica, a falta de justiça, a falta de solução. Quantos problemas do mundo seriam menos pesados se tivessem apenas o peso que têm em si, isto é, se os livrássemos da carga que lhes damos, aceitando que não têm solução.

Não adianta fugir com o rabo à seringa. Muitas vezes nem há seringa. Nem injecção. Nem remédio. Nem conhecimento certo da doença de que se padece. Muitas vezes só existe a agulha.

Dizem-nos para esquecer, para ocupar a cabeça, para trabalhar mais, para distrair a vista, para nos divertirmos mais, mas quanto mais conseguimos fugir, mais temos mais tarde de enfrentar. Fica tudo à nossa espera. Acumula-se-nos tudo na alma, fica tudo desarrumado.

O esquecimento não tem arte. Os momentos de esquecimento, conseguidos com grande custo, com comprimidos e amigos e livros e copos, pagam-se depois em condoídas lembranças a dobrar. Para esquecer é preciso deixar correr o coração, de lembrança em lembrança, na esperança de ele se cansar." - MEC

segunda-feira, setembro 19, 2011

Rosa Esperança em Torres Vedras

"As apresentações de Rosa Esperança, praticamente 3 anos depois do 1º encontro que levou a esta aventura, preparam-se agora para chegar ao fim! Quem ainda nos quiser ver ou marcar espectáculos apresse-se! Este ciclo encerrará até final de 2011. Depois... Depois há a certeza de que o melhor... O melhor Ainda Está Para Vir!  ;o) " - RG

quarta-feira, setembro 14, 2011

O veneno nosso de cada dia

Tenham paciência para ver este video. Vale a pena. Pela nossa saúde...

http://www.tvi.iol.pt/mediacenter.html?mul_id=13481511&load=1&pagina=1&pos=2

sexta-feira, agosto 19, 2011

Ah... férias...

quinta-feira, agosto 11, 2011

A minha afilhada Joaquina

quarta-feira, agosto 10, 2011

Uma rede social para doentes com cancro

«I Had Cancer» é uma rede social criada para os doentes com cancro e todos os que os rodeiam poderem partilhar as suas experiências, de modo a encararem melhor a vida antes, durante e depois da doença.

Esta rede social permite aos seus utilizadores formar um círculo de amizades virtuais, contar a sua história, participar em discussões e até dirigirem-se directamente à sua doença numa área designada «Querido cancro», onde poderão publicar mensagens.

Os impulsionadores desta rede social estão a trabalhar para desenvolverem aplicações que promovam a realização de eventos e o trabalho de organizações não-governamentais.

«Tinha médicos maravilhosos e apoio da minha família e amigos, mas achava que me faltava uma ligação a alguém que partilhasse esta experiência», explicou a fundadora da rede social «I Had Cancer», Mailet López, de 33 anos, que foi diagnosticada em 2008 com cancro da mama.

Os utilizadores desta rede social poderão procurar pessoas que tenham passado pela mesma situação, através de um sistema de pesquisa por localização, género, idade, tipo de cancro e tratamento.

(in PortugalDiário online)

segunda-feira, agosto 01, 2011

O Projecto Luz foi à praia!

video

sábado, julho 30, 2011

A Sónia Borralho partiu...

quinta-feira, julho 14, 2011

O Projecto Luz vai à praia!

No próximo dia 30 de Julho, sábado, Voluntários do Projecto Luz estarão na praia de Carcavelos, às 9h00, identificados com t-shirts, distribuindo folhetos e falando com os veraneantes sobre a necessidade da prevenção em vários tipos de cancro: mama, ovários, linfomas, pele... Venha conhecer-nos e esclarecer as suas dúvidas! E porque é preciso prevenirmo-nos do sol, não esqueça o chapéu e o protector solar...

O Projecto Luz é uma Associação particular, sem fins lucrativos, independente de partidos políticos e de organizações religiosas, que tem como missão apoiar o doente oncológico. Trabalhamos em duas frentes:

1. O Apoio Especializado

O apoio directo a doentes desenvolve-se numa relação de proximidade doente-voluntário-família. Os voluntários que fazem parte da Associação Projecto Luz são pessoas que, pela sua experiência de vida, estão sensibilizadas para esta problemática. nas áreas profissionais de enfermagem oncológica e psicologia.

2. O Movimento Partilha

O Movimento Partilha é uma plataforma que junta pessoas.

Os “Padrinhos” são doentes em remissão que estão disponíveis para apoiar, orientar, conversar e dar esperança a novos doentes com a mesma patologia. Não se trata de um substituto das orientações médicas ou psicológicas dos profissionais.

Os “Afilhados” são doentes oncológicos com a doença activa. Beneficiam da experiência do Padrinho, colocando dúvidas e partilhando experiências, sabendo que existe quem tenha algumas das respostas aos momentos mais angustiantes pelos quais passa e que está sempre disponível.

O Projecto Luz / Movimento Partilha disponibiliza a plataforma onde estas duas necessidades se encontram.

Mais em: http://www.projectoluz.com/

quarta-feira, julho 13, 2011

Investigação: nova técnica na cura do cancro

Uma técnica pioneira no tratamento de tumores ósseos que evita incisões está a ser aplicada pela primeira vez em Portugal no serviço de imagiologia do Centro Hospitalar de Gaia e Espinho, noticia a Lusa.

A técnica em causa, a Crioablação Percutânea guiada por imagem, é um tratamento minimamente invasivo que consiste na introdução, através da pele e sem necessidade de incisão, de uma agulha especial guiada por Tomografia Computorizada (TC) que permite o seu posicionamento com grande precisão no seio do tumor.

A agulha gera gelo no interior do tumor, o que leva à destruição das células cabcerígenas, permitindo assim que o tratamento eficaz, com preservação dos tecidos e órgãos adjacentes.

A primeira Crioablação Percutânea Guiada por Imagem foi realizada pela Unidade de Radiologia de Intervenção do Serviço de Imagiologia do Centro Hospitalar Gaia/Espinho, em colaboração com os Serviços de Hemato-Oncologia e Anestesia.

A técnica foi usada numa doente que 24 horas após o tratamento teve alta clínica. A doente, do sexo feminino, com 77 anos, apresentava um tumor na grade costal e necessitava de uma intervenção curativa, de forma a necrosar a lesão.

O procedimento, realizado com anestesia, teve uma duração de cerca de 90 minutos.

Esta nova técnica está indicada, sobretudo, no tratamento de tumores ósseos, dependente, no entanto, da avaliação clínica de cada caso.

(TVI24)

domingo, julho 10, 2011

Boa!



O Prof. Marcelo Rebelo de Sousa destacou o Projecto Luz/Movimento Partilha no seu comentário semanal na TVI!

sexta-feira, julho 08, 2011

Como é que se Esquece Alguém que se Ama?

Um texto aparentemente triste...

"Como é que se esquece alguém que se ama? Como é que se esquece alguém que nos faz falta e que nos custa mais lembrar que viver? Quando alguém se vai embora de repente como é que se faz para ficar? Quando alguém morre, quando alguém se separa - como é que se faz quando a pessoa de quem se precisa já lá não está?

As pessoas têm de morrer; os amores de acabar. As pessoas têm de partir, os sítios têm de ficar longe uns dos outros, os tempos têm de mudar Sim, mas como se faz? Como se esquece? Devagar. É preciso esquecer devagar. Se uma pessoa tenta esquecer-se de repente, a outra pode ficar-lhe para sempre. Podem pôr-se processos e acções de despejo a quem se tem no coração, fazer os maiores escarcéus, entrar nas maiores peixeiradas, mas não se podem despejar de repente. Elas não saem de lá. Estúpidas! É preciso aguentar. Já ninguém está para isso, mas é preciso aguentar. A primeira parte de qualquer cura é aceitar-se que se está doente. É preciso paciência. O pior é que vivemos tempos imediatos em que já ninguém aguenta nada. Ninguém aguenta a dor. De cabeça ou do coração. Ninguém aguenta estar triste. Ninguém aguenta estar sozinho. Tomam-se conselhos e comprimidos. Procuram-se escapes e alternativas. Mas a tristeza só há-de passar entristecendo-se. Não se pode esquecer alguem antes de terminar de lembrá-lo. Quem procura evitar o luto, prolonga-o no tempo e desonra-o na alma. A saudade é uma dor que pode passar depois de devidamente doída, devidamente honrada. É uma dor que é preciso aceitar, primeiro, aceitar.

É preciso aceitar esta mágoa esta moinha, que nos despedaça o coração e que nos mói mesmo e que nos dá cabo do juízo. É preciso aceitar o amor e a morte, a separação e a tristeza, a falta de lógica, a falta de justiça, a falta de solução. Quantos problemas do mundo seriam menos pesados se tivessem apenas o peso que têm em si , isto é, se os livrássemos da carga que lhes damos, aceitando que não têm solução.

Não adianta fugir com o rabo à seringa. Muitas vezes nem há seringa. Nem injecção. Nem remédio. Nem conhecimento certo da doença de que se padece. Muitas vezes só existe a agulha.

Dizem-nos, para esquecer, para ocupar a cabeça, para trabalhar mais, para distrair a vista, para nos divertirmos mais, mas quanto mais conseguimos fugir, mais temos mais tarde de enfrentar. Fica tudo à nossa espera. Acumula-se-nos tudo na alma, fica tudo desarrumado.

O esquecimento não tem arte. Os momentos de esquecimento, conseguidos com grande custo, com comprimidos e amigos e livros e copos, pagam-se depois em condoídas lembranças a dobrar. Para esquecer é preciso deixar correr o coração, de lembrança em lembrança, na esperança de ele se cansar."

Miguel Esteves Cardoso, in 'Último Volume'